Lençóis Maranhenses na baixa temporada (seca)

Como chegamos aos Lençóis Maranhenses

Escolhemos visitar os Lençóis Maranhenses no feriado de carnaval (2018). As passagens estavam com preços atrativos ( compramos a Ida por apenas 6 mil milhas). Depois de comprar as passagens eu (Débora) comecei a pesquisar sobre o local e confesso que fiquei desanimada por ser a época de seca das lagoas.

Procurei muito por informações sobre passeios para essa época do ano e pouca coisa achei. Mas ja vou adiantando o lugar é lindo em qualquer época, alta ou baixa temporada. E se você, como nós, trabalha e não tem datas flexíveis, vale aproveitar os feriados.

O aeroporto de São Luís é bem pequeno. Tem como decoração uns painéis bonitos. De fast food tem Subway e Bobs.

Como organizar o roteiro

-Se tiver bastante tempo reserve 1 ou 2 DIAS para visitar São Luis/MA.
A cidade não tem muitas atrações turísticas, portanto em um dia você conhece o centro histórico e as praias. A cidade é bonita, tem muitos restaurantes, shopping e lojas. As praias não tem uma cor muito atraente e algumas chegam a ficar impróprias para banhos.

  • Se estiver com o tempo curto vá direto para Barreirinhas/MA.
    Você já vai gastar meio período pra chegar e meio para voltar à capital (São Luis). Separe ao menos 3 dias para passeios.

  • Conheça Santo Amaro se for alta temporada (maio-agosto). {Pelo menos foi o que disseram, vou conhecer esse lado numa próxima oportunidade}
    Tudo para Santo Amaro é mais complicado do que  em Barreirinhas.. Há menos opções de hospedagem, restaurantes e transporte. A princípio queríamos passar 1 ou 2 dias lá, mas as pousadas só estavam fechando acima de 3 diárias e os guias do local disseram que só havia um lugar com água para visitar (Betânia). Fiquei ainda curiosa para conhecer o local porque li em alguns blogs que as lagoas de lá são perenes.. Bem como os guias disseram que não era bem assim, desistimos. Resolvemos então focar em Barreirinhas, que também é bem simples, mas já tem uma certa infraestrutura turística.
  • Há opção de se hospedar em Atins. Lá é uma vila bem pequena e rústica. É para quem gosta de uma viagem mais roots. Tem pousadas onde você dorme na rede e não tem nem chuveiro aquecido. Em Atins há uma escola de Kite Boarding.

Hospedagem

Pegamos uma indicação de hospedagem com uma pessoa do grupo mochileiros (recomendo esse grupo do face!) e foi muito bom (valeu Aldy). Ficamos na pousada Vitória do Lopes, local simples mas que muito bem nos atendeu. Contato: +55 (98) 3349-1363

A cama era confortável, tinha ar condicionado split e roupa de cama e banho novas e cheirosas. Mas a melhor parte é o atendimento da Dona Vania. Ela organizou todos os nossos passeios e o transfer. Conseguiu um preço igual ou melhor do que todas as outras cotações que fizemos e indicou os passeios que realmente valiam a pena para fevereiro.

Dica: quando for conhecer os Lençóis Maranhenses programe passeios para todos os dias, porque não há mais nada pra fazer. O parque nacional onde ficam as dunas só recebe carros 4×4 cadastrados, então não dá pra sair desbravando sozinho. À noite dá até pra sair nos restaurantes da rua beira rio, mas durante o dia você fica dependente das agências. Há passeios de meio período ou de um dia. No dia que vier de São Luis já agende um de meio período 🙂

Nossos Passeios foram:

  • Canto do Atins
  • Quadriciclo
  • Lagoa azul
  • Barco até Caburé

Para detalhes e valores desses passeios acesse: http://www.fuinamala.com.br/passeios-pelos-lencois-maranhenses/
* tem umas fotos bacanas lá!
** Acesse para ver como as Lagoas ficam na “seca”

Ida e volta: Sao Luís x Barreirinhas

Reservamos junto a pousada o transfer Ida e Volta de van.. Custou R$60 reais por pessoa/por trecho. A primeira van nos pegou no aeroporto as 4 da manhã. Apesar de não estar cheia nos sentimos bem espremidos porque as poltronas eram muito apertadas. A van do retorno era mais espaçosa e mais nova. Mas não conte com o tempo estimado por eles, porque eles pegam/entregam todos de casa em casa e isso demora muiiiito (ainda mais se o motorista não usar o waze, como aconteceu conosco kkkk).

No caminho não tem parada em postos de gasolina do tipo que estamos acostumado em SP. As vans dão uma paradinha em lanchonetes da beira de estrada. A coxinha sai por volta de 3 reais e a latinha de refrigerante também. Há banheiros.

 

Curiosidades

  • Olha o Jumento
    Pode parecer com ar de gozação, mas é muito sério isso. Nessa região tem muitos jumentos e eles se tornam um perigo na pista, uma vez que empacam e é necessário desviar deles. No nosso caminho entre São Luis e Barreirinhas a van desviou ou parou por causa de uns 5 jumentos. Ah, nas dunas também tem vários bichinhos desse soltos.
  • É inverno ou verão?
    Apesar de geograficamente o Maranhão pertencer ao hemisfério sul (e ao Brasil é claro) eles auto declaram diferentes estações do ano. Para eles só existe verão e inverno e eles são o oposto do resto do país. Nós que fomos em fevereiro fomos no “inverno” temporada  de chuvas, ventos e lagoas ainda secas (começando a encher). Quem vai em junho ou julho chega no “verão”deles. Estação seca, sem vento e com as lagoas cheias. Bom se pra eles era inverno ok… mas que o sol tava rachando isso estava!
  • Tem internet?
    Tem sim. Em Barreirinhas o sinal é bom. Alguns hotéis e pousadas possuem wi-fi. Algumas operadoras tem sinal até nas dunas.
  • Tem Uber?
    Em São Luis tem e funciona bem.
  • Geradores de energia
    Vários lugares ainda funcionam com geradores, então nem sempre as bebidas são bem geladas. Em vários locais a energia “acaba”durante a noite.
  • Pressa pra quê?
    O Maranhense é bem tranquilo. Não espere pontualidade. Dificilmente o guia vai marcar um horário inflexível. É tipo: “te pego as 4 ou 4h15” e vc pode ficar tranquilo se der 4 e meia e ninguém tiver chego… estão a caminho kkkkkk
  • Te pego no hotel
    Todos as agencias tem o hábito de busca-lo onde estiver hospedado. Então combine certinho e é só esperar na recepção.
  • Choveu?
    Sim, mas nenhum dos dias em que estivemos lá choveu o dia todo. Foi apenas chuva momentânea. Os passeios não são interrompidos pela chuva. Na verdade até agradecíamos os dias nublados para aproveitar a sombra. Em todos os passeios vá com roupa de banho, assim se chover você já se refresca.
  • A comida é estranha?
    Não. A comida é normal. Tem um bom feijão e arroz. A carne principal é o peixe ou os camarões. Mas vc encontra sempre opções com frango. A carne bovina é mais incomum, mas é encontrada facilmente na versão carne de sol (que é bem diferente da carne seca que os paulistas estão acostumados).
    Comemos muito bem nesses dias todos. As porções são generosas, as vezes dividíamos em 2 a porção que era de 1 pessoa. Em Barreirinhas tem mercados e Subway. As tapiocas são ótimas.


    Os vegetarianos vão achar mais dificuldade em comer nos passeios, mas em Barreirinhas há opções. Tem até comida japonesa!

    Os sucos de lá são sempre naturais. Aproveite para provar novos sabores como cajá.
    Em São Luís recomendamos o restaurante Cabana do Sol. Dá uma olhada no tamanho de filé de carne de sol!!!
  • Venta? Vou comer areia? É calor? Queima?
    Sim, sim, sim, sim! Nas dunas o vento movimenta bem a areia e sim você “come”um pouco de areia. Recomendo óculos em todos os passeios, porque além do vento as areias são claras e refletem o sol, ficando difícil de enxergar. É muito calor. Escolha um hotel/pousada com ar. Leve protetor e passe várias vezes ao dia. Se tiver camisetas UV manga longa serão uma ótima pedida. Sombra só embaixo das coberturas dos restaurantes.
  • Banheiros
    Em Barreirinhas tranquilo. Mas em Caburé ou Atins é na fossa mesmo. Alguns locais até tem o vaso, mas a descarga é um baldinho com água ao lado. Não há muito conforto nessa parte. Papel Higiênico…kkk nem pensar. Leve o seu.
  • Aceita cartão?
    Vários locais aceitam. Até em Caburé conseguimos passar cartão, mas é sempre bom levar dinheiro, porque as vezes o sinal falha. Há agencias do Bradesco, Caixa e Banco do Brasil em Barreirinhas.
  • Vale a pena?
    Com certeza!Acesse o post dos passeios… lá estão as melhores fotos.

    Passeios pelos Lençóis Maranhenses


 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *